Análise de Conjuntura

 

Reforma da Previdência ignora R$ 426 bilhões devidos por empresas ao INSS

No último dia 12 de fevereiro, a cientista política Sonia Fleury foi entrevistada pelo canal Repórter Brasil para a publicação de reportagem sobre as empresas que devem ao INSS e o atual plano de Reforma da Previdência.


 

Classe média: afinal do que estamos falando?

A Professora e Cientista Política Sonia Fleury publicou na Heinrich Böll Stiftung [online] do dia 9 de julho de 2015 artigo sobre o debate que vem sendo realizado a respeito da "nova classe média": "Classe média: afinal do que estamos falando?"

Confira a publicação!


 

Congresso Internacional debate precariedade e exclusão na América Latina

A professora da FGV/Ebape, Sônia Fleury participa do XXXIII International Congress of the Latin American Studies Association (LASA 2015). O congresso, que está sendo realizado em Porto Rico, teve início no dia 27 de maio e aborda temas ligados à precariedade, exclusão e emergência por especialistas da América Latina nas mais diversas áreas do conhecimento.

Sônia vai participar, no dia 30 de maio, dos debates sobre precariedades institucionais, transformações sociais e insurgências democráticas. A professora apresentará o paper “Democracias – tensiones entre el instituido y el instituyente”

“Vivemos o desafio de construir instituições políticas capazes de assegurar a estabilidade, pluralidade e alternância de poder, simultaneamente a novas formas de democracia participativa, como forma de superar o exercício patrimonial e clientelista do poder que tem reproduzido a cultura elitista e gerado desigualdade e exclusão social”, explica a professora.

Os debates sobre esse tema ainda vão contar com a participação de Franklin Ramírez Gallegos (FLACSO-Equador), Alicia Ziccardi (Universidad Nacional Autónoma de México) e Luiz Antonio Machado da Silva (Iesp/Uerj).

A LASA é a maior associação profissional do mundo voltada para o estudo da América Latina, com mais de 9.500 membros. A entidade reúne especialistas com conhecimento multidisciplinar de todo mundo com a missão de promover o debate intelectual, a pesquisa e o ensino sobre a América Latina, além de incentivar a participação popular por meio da construção de redes e debates públicos
 


 

Professora da FGV/EBAPE é citada no livro “Glória Incerta”, de Jean Drèze e Armatya Sen

Quando a professora Sonia Fleury da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getulio Vargas (FGV/EBAPE) foi convidada para participar de um seminário na Índia, em abril deste ano, recebeu como indicação ler “Glória Incerta”. A obra foi escrita por Jean Drèze e Armatya Sen, sendo este ganhador do prêmio Nobel de Economia em 1998. Até então, o que ela não sabia é que o livro fazia referência a um artigo que ela escrevera em 2011 e fora publicado na revista britânica “The Lancet”, um dos principais periódicos médicos do mundo. “O fato de o artigo ter sido citado me deu um reconhecimento muito grande porque não tenho nenhum contato [com os autores], jamais tive, e [um dos autores] é um Prêmio Nobel de Economia, conhecido no mundo inteiro, traduzido no mundo inteiro”, conta a professora.

O artigo “Brazil’s heath-care reform: social movements and civil society”, ou “Reforma dos serviços de saúde no Brasil: movimentos sociais e sociedade civil” foi citado no terceiro capítulo da obra, chamado “Índia em perspectiva comparada”. Nesse capítulo, os autores indicam os pontos de paridade e diferença entre a Índia e diversos outros países, incluindo os BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Ainda que o crescimento econômico brasileiro seja inferior ao indiano, tanto a redução da pobreza no Brasil foi maior do que na Índia, quanto as melhorias em aspectos sociais nas áreas de educação e saúde foram mais eficientes. “Então, não se trata só da questão do crescimento, se trata da política estar direcionada para atacar o problema da pobreza e da melhoria das condições de saúde e educação. Os autores buscam explicar por que o Brasil melhorou tanto nessas áreas, especialmente, na área de saúde, e por que nossos indicadores são muito melhores”, salienta Fleury.

“Uma característica particular do novo projeto de saúde do Brasil é o fato de ser enraizado em movimentos populares atuantes. O próprio Sistema Único de Saúde foi em grande medida concebido por ativistas da saúde como parte de um ‘projeto [maior] de política social, concebido por movimentos sociais’, fortemente associado com ‘a transformação do Estado e da sociedade em uma democracia’”, afirmam os autores Drèze e Sen no terceiro capítulo da obra ao citarem o artigo da professora.

De acordo com Sonia, a construção do Sistema Único de Saúde (SUS) ocorreu por meio da participação de movimentos sociais, com base nos princípios da Constituição de 1988. Sonia destaca os conselhos e as conferências como importantes mecanismos de participação das autoridades de saúde e da população. Quanto ao que ainda pode ser melhorado no Brasil, a professora aponta a qualidade do acesso aos serviços de saúde. “É preciso haver maior regulação do Estado com relação à qualidade. A garantia de recursos para a área de saúde é fundamental”, conclui.
 


 

Adeus a Giovanni Berlinguer

A notícia do falecimento do companheiro, amigo do CEBES e dos latino-americanos, [no dia 06 de abril de 2015], nos pegou de surpresa. Uma surpresa encapsulada de tristeza e muitas saudades e de uma sensação de que poderíamos ter despedido dele e da sua musa Giuliana antes que partissem.
Giovanni foi sempre uma inspiração e uma fonte de sabedoria e experiência para todos nós que tivemos o privilégio de compartilhar com ele o desenvolvimento da saúde coletiva na América Latina e da Reforma Sanitária no Brasil. Ainda na ditadura sua primeira vinda ao Brasil representou um apoio inestimável à consolidação do Cebes, o que se repetiria em anos seguintes. Nos inspiramos e aprendemos com suas análises rigorosas da “Saúde nas Fábricas” e da “Medicina do Trabalho” além das comparações entre os processos das “Reformas Sanitárias na Itália e no Brasil” (todos eles títulos de livros seus publicados no Brasil). Mas também nos deleitamos com o humor e rigor acadêmico em seu livro “Minha Pulgas” e com as suas brilhantes conferências tão rigorosamente trabalhadas que apresentou em inúmeras oportunidades nos encontros da ABRASCO e da ALAMES.
Mas o que mais marcou nossa convivência foram o homem e sua grandiosa visão humanística. Tão grandiosa quanto generosa, pois nos fazia sentir igualados a aquele que nos superava em saber e experiência política, pois, com seu sorriso amplo e olhar límpido nos elevava a sua estatura política e intelectual. Sua coerência política ficou marcada na carta em que enviou a alguns companheiros e companheiras em todo o mundo, explicando porque renunciava a vida parlamentar, pois acreditava que a democracia requeria renovação dos políticos. Sua capacidade de transcender visões esquemáticas e preconceituosas o aproximou de católicos e fiéis de todos os credos, na busca de uma ética na saúde e na política. Respeitado por comunistas e católicos, ele foi o relator da lei que permitiu o aborto na Itália, alegando que o que defendia era a vida, tanto da mãe como do feto, já que o Estado apoiaria as mães em momento de decisão tão difícil, em que uma mulher muitas vezes se sente desamparada.
A convivência com ele e Giuliana me permitiu desfrutar de uma linda intimidade, conhecendo sua arte em marcenaria e o manequim de costura de sua mulher na casa da Visa San Giácomo, cheia de livros e quadros de artistas que o admiravam. Ambos já famosos, ele como intelectual e parlamentar e Giuliana com seus romances e livros, preferiam hospedar-se na casa de amigos que em hotéis. Algumas vezes saí da minha cama para hospedá-los e retribuir o carinho com que trataram sempre a mim e a minha filha, para quem o Senador cozinhara uma pasta.
Uma vez fizemos um seminário no NUPES e depois de dois ou três dias de discussão fomos encerrar o trabalho e comemorar em um pequeno apartamento que eu tinha na região litorânea de Niterói, que encantou o Giovanni, homem do mar da Sardenha. Na ocasião ele tinha um problema na perna e por isso colocou o pé em cima da mesinha da pequena sala, todo o grupo de pesquisa ao seu redor, enquanto o filho da Ligia Giovanella passava por baixo de suas pernas. Ríamos, bebíamos e conversávamos descontraídos a tal ponto que o Berlinguer comentou: “Sonia, é a primeira vez que você me parece normal”. Naquele momento, ele tinha encontrado alguma humanidade em mim também.
Adeus amigo querido,
Sonia Fleury
 


 

PT: ameaça, esperança, maldição

Artigo da cientista política Sonia Fleury.

Publicado também na Plataforma Política Social e no Instituto Brasileiro de Estudos Políticos.


 

Brazil's President Rousseff faces record low approval ratings

No último dia 21 de março, a cientista política concedeu uma entrevista ao canal CCTV America sobre a situação econômica e política no Brasil e a popularidade da Presidente Dilma Rousseff.


 

Dilma promete "diálogo humilde e firme"

A cientista política Sonia Fleury, da EBAPE/FGV, analisa, para o jornal O Povo, a falta de liderança do governo Dilma, frente às insatisfações populares. "Eles deveriam apresentar mais claramente as propostas e explicar ao povo quem vai sofrer as consequências da crise”.

Além disso, visto aos vários pedidos de impeachmente nas ruas, Sonia Fleury acrescenta: “Acho preocupante o fato de que as lideranças de oposição não tenham vindo a público se manifestar contra esse tipo de pedido anti-democrático. Isso é uma conivência silenciosa”.


 

PT admite que precisa mudar

Em entrevista ao jornal O Tempo, do dia 17 de março, a Professora Sonia Fleury comenta sobre a insatisfação popular com o governo Dilma, analisando os protestos do último dia 15 de março em todo o Brasil.

"A professora da Fundação Getúlio Vargas Sônia Fleury avalia que, pelas imagens e o perfil dos manifestantes, o eleitorado de Dilma não compareceu às manifestações de domingo, o que, segundo ela, não quer dizer que quem votou na petista também não esteja insatisfeito. Ela afirma que o PT precisa demonstrar intolerância com a corrupção."


 

Crise económica e política leva parte da população brasileira a pedir a demissão de Dilma

No último dia 12, a cientista política Sonia Fleury concedeu entrevista à TV portuguesa SIC sobre a crise econômica e política no Brasil e sobre a popularidade da Presidente Dilma.


 

Após um ano, ocupação militar da Maré não garante direitos à comunidade

           "Eu até estava com esperança de que o governo encarasse que não é com militarização que se combate violência. Que não é isso que vai resolver bala perdida, morte de policiais e adolescentes. De que houvesse uma ênfase na integração do território, na promoção social, fortalecimento da habitação saúde, educação, de uma forma integrada coibindo, através da integração do território, abusos da polícia e o poder centrado no aparato coercitivo, o que aconteceu é a polícia militarizando o social”.
É o que diz a Professora da EBAPE/FGV e coordenadora do PEEP, Sonia Fleury, para o Portal Aprendiz, em 11 de março de 2015, sobre os recentes anúncios de que policias da UPP acompanharão a frequência escolar de estudantes da rede pública e desenvolveram projetos como a UPP Mirim, que usará do escotismo para tentar se aproximar dos jovens.


 

Entrevista à CNN em espanhol sobre a questão da Petrobras e demissão de Graça Foster


 

Considerações sobre as MPs 664 e 665 de 2014

A Reunião de Redes Nacionais, organizada pelo Grito dos Excluídos, contou com a participação da Profa. Sonia Fleury no início deste ano. Em sua memória e encaminhamentos, confira os seguintes materiais!

Considerações sobre as MPs 664 e 665 de 2014 (Centrais Sindicais)

Considerações sobre as MPs 664 e 665 de 2014 (DIEESE)

Apontamentos sobre a redução de direitos dos trabalhadores – MPVs 664/14 e 665/14

Análise das Medidas Provisórias 664 e 665

Apontamentos sobre a redução de direitos previdenciários (MP 664/14) e ao seguro-desemprego (MP 665/14) – ou: nunca uma vaca tossiu tão alto e de forma tão inconstitucional


 

Manifesto dos Intelectuais: "O que está em jogo agora"

Em parceria com dezenas de intelectuais brasileiros, a Profa. Dra. Sonia Fleury assinou o Manifesto "O que está em jogo agora", que repercute o processo da Operação Lava-Jato em uma defesa da estatal Petrobras, na luta contra a sua privatização.


 

Brasil. País dividido após eleições

A cientista política Sonia Fleury comenta, em publicação na revista eletrônica GeoCritiq, sobre o país polarizado pós eleições de outubro de 2014.

        "Pela pri­meira vez, desde o tér­mino da dita­dura, a direita pro­cu­rou se colo­car no cená­rio polí­tico, mobi­li­zando ran­co­ro­sos elei­to­res, embora sem uma can­di­da­tura pre­si­den­cial pró­pria. Ape­sar do sena­dor Aécio Neves já ter decla­rado que não assu­mirá o lugar da direita, bus­cando cali­brar seu par­tido como uma opo­sição demo­crá­tica ao governo eleito, seus apoia­do­res cla­ma­ram ime­dia­ta­mente pelo impea­ch­ment da pre­si­dente eleita, em um momento em que denún­cias de corru­pção na Petro­brás ocu­pam os noticiários."

Confira o artigo completo!


 

Metonímias da Participação Pacificada

A Cientista Política e Professora da EBAPE, Sonia Fleury, teve seu recente artigo, de coautoria com Juliana Kabad, primeiramente publicado na revista científica Scripta Nova, divulgado pela Plataforma de Política Social.

Confira o artigo na íntegra!


 

Segundo governo Dilma pode enfrentar mais resistência dos sindicatos

Em entrevista publicada no dia 8 de janeiro de 2015 no Jornal O Globo, a cientista política e professora da EBAPE/FGV, Sonia Fleury, comenta sobre o segundo governo Dilma e o que ele pode vir a enfrentar.

- O governo Dilma é de uma coalizão bastante ampla. Não é um governo petista puro. No primeiro ministério do Lula, havia uma predominância de sindicalistas. Os governos foram se afastando da identificação com o movimento sindical, embora tivessem o apoio. - comenta a professora.

Confirma a matéria na íntegra aqui e aqui.


 

Educação Popular e questões de poder

A Professora Sonia Fleury, em publicação do suplemento mais recente da Revista Interface (18 Supl 12), escreveu artigo "Educação Popular e questões de poder" sob o tema editorial Educação Popular e Saúde no SUS.

Confira (a partir da página 1489)!


 

Brasil melhora colocação no ranking de percepção da corrupção no mundo

Sonia Fleury, cientista política, foi convidada para participar, no último dia 04 de dezembro, do programa da Globo News, "Jornal das Quatro". Em sua participação comentou sobre a colocação do Brasil no ranking mundial de percepção da corrupção, enfatizando o caso de "percepção" visto os acontecimento recentes de questionamento da democracia e os escândalos do governo.

Confira a participação completa.


 

Brasilien: Noch immer auf der Suche nach Entwicklung

A cientista política e professora da EBAPE/FGV, Sonia Fleury, participou nos dias 21, 22 e 23 de novembro de 2014, em Berlin, na Alemanha, da conferência “Mesa Redonda Brasil” (Runder Tisch Brasilien), um dos principais eventos dedicados ao Brasil na Alemanha organizado pela Fundação Heinrich-Böll-Stiftung. No encontro, que reuniu pesquisadores, especialistas e organizações sociais interessados nos dois países, professora Sonia Fleury foi uma das especialistas convidadas de painéis e oficinas voltadas para o tema.

Na sexta (21/11), ela participou do painel “Os custos do crescimento” ao lado de Christa Wichterich. No sábado (22/11), foi a vez da oficina com Julia Ziesche. O debate foi em torno do tema “Ascensão para a classe média - processos de transformação social no Brasil”, visto a sua participação recente em livro "A 'Nova Classe Média' no Brasil como conceito e projeto político". E no domingo, ela estará ao lado de Kristina Dietz e Daniel Rech no painel “Decrescimento na América Latina e na Europa: consequências para nosso trabalho e atividades”.

Sonia Fleury também lecionou uma aula sobre questões do consumismo como modelo de desenvolvimento da nova classe média do Brasil, no Instituto de Estudos Latino-americanos da Free University of Berlim, uma das universidades mais importantes da Alemanha.

Ao final da conferência, seu artigo denominado "Brasilien: Noch immer auf der Suche nach Entwicklung" ("Brasil: ainda em desenvolvimento" em tradução) foi publicado na revista de sua organização, KoBra Brasilicum (ISSN: 2199-7594).


 

ELEIÇÕES 2014

A cientista política e professora da EBAPE/FGV, Sonia Fleury, realizou diversas entrevistas e comentários, para veículos nacionais e internacionais, sobre o processo eleitoral brasileiro deste ano. Abaixo, seguem algumas de suas análises:

04/08/2014 EXTRA
Conheça as promessas dos candidatos ao governo para a Saúde” ("Blá Blá Blá para as promessas de saúde")

28/08/2014 O GLOBO
No Sudeste, Marina já aparece em empate técnico com Dilma

29/08/2014 RÁDIO FRANÇA INTERNACIONAL
Para analistas, chances de Aécio reverter fenômeno Marina são fracas

02/09/2014 O GLOBO
Aécio foi prejudicado pela polarização, dizem analistas sobre debate

04/09/2014 BRASIL SOBERANO E LIVRE
Onda interrompida

04/09/2014 O GLOBO
Dilma reage nas pesquisas e agora falar em mudar equipe

04/09/2014 O GLOBO
Especialistas afirmam que ataques de Dilma seguraram crescimento de Marina

11/09/2014 VICE NEWS
Marina Silva, Former Illiterate Rubber Tapper, Reshapes Brazil's Presidential Race

15/09/2014 DIARIO FINANCIERO
Sonia Fleury: “Hay una inconsistencia entre la propuesta económica de Silva y su programa social”

04/10/2014 LETRA E SOM
Eleições em um Brasil que não se sente representado

04/10/2014 ARTE Info
Brésil : de la rue à la politique

06/10/2014 CNN
Brasil: ¿alianzas para la segunda vuelta?

06/10/2014 VICE NEWS
Brazil's Presidential Run-Off Pits Dilma Rousseff Against Centrist Aecio Neves

06/10/2014 THE BRICS POST
Rousseff wins first round of Brazil election

06/10/2014 RIANOVOSTI
Neves Winning Brazil's Presidency Would Shift Foreign Policy From BRICS to US, EU

07/10/2014 ZERO HORA
Diferenças no voto de Norte a Sul

11/10/2014 THE BRICS POST
Brazil’s Predictable uncertainness: Politics between power elites and the popular masses

15/10/2014 CNN
Brasil: más cerca de la segunda vuelta

21/10/2014 CORREIO BRASILIENSE
Uma trégua com dias contados

23/10/2014 THE GUARDIAN
Brazil’s election is a geopolitical turning point

24/10/2014 THE PENINSULA (Qatar)
Why Brazil’s election is a geopolitical turning point

25/10/2014 REUTERS (repercutida em várias emissoras estrangeiras)
Eleições 2014 no Brasil - Entrevista de Sonia Fleury à agência de notícias francesa Reuters

26/10/2014 O GLOBO
O Rio que nós queremos

26/10/2014 R7
Veja os desafios que Dilma Rousseff vai encarar nos próximos quatro anos na Presidência

27/10/2014 ESTADÃO NOITE (edição especial para tablets)
Sob o véu da ignorância

27/10/2014 RIANOVOSTI
Rousseff Should Address Inflation, Economy, Corruption to Avoid Protests: Scholar

27/10/2014 VICE NEWS
Brazilian President Dilma Rousseff Reelected in Bitterly Close Race

27/10/2014 THE INDEPENDENT
Dilma Rousseff re-elected as Brazilian President with slim majority over Social Democratic Party candidate

27/10/2014 EURONEWS
Las bolsas acogen con frialdad la victoria de Dilma Rousseff en las presidenciales de Brasil

27/10/2014 EURONEWS
Brazilian markets plunge following Rousseff victory

27/10/2014 EURONEWS
Dilma Rousseff confermata alla guida del Brasile. Prossima sfida: rilanciare l’economia

27/10/2014 THE BRICS POST
Rousseff re-elected as President of Brazil

27/10/2014 DIARIO DE PERNAMBUCO
A hora de enfrentar a própria herança

28/10/2014 YAHOO! NOTIZIE
Dilma Rousseff confermata alla guida del Brasile. Prossima sfida: rilanciare l’economia

28/10/2014 YAHOO! ACTUALITES
De nombreux défis attendent Dilma Rousseff pour les 4 ans à venir

28/10/2014 YAHOO! NEWS
Brazilian markets plunge following Rousseff victory

28/10/2014 YAHOO! NOTICIAS
Las bolsas acogen con frialdad la victoria de Dilma Rousseff en las presidenciales de Brasil

30/10/2014 DIÁRIO CATARINENSE
Novo obstáculo para a reforma política

30/10/2014 ZERO HORA
Quais são os caminhos para a reforma política

31/10/2014 DEDEFENSA
En marche vers la radicalisation antiSystème des BRICS
 


 

Canal Fiocruz fala sobre livro da Editora FIOCRUZ/CEBES que revela a saúde nos municípios do Brasil

O programa Ciência & Letras do Canal Saúde da FIOCRUZ - Fundação Oswaldo Cruz – realizou no dia 11 de agosto de 2014, às 19h, uma entrevista com a professora da FGV/EBAPE Sonia Fleury e o mestre em administração pública Assis Mafort Ouverney. Sonia é autora do livro “Democracia e inovação na gestão local da saúde”, recém-publicado pela Editora Fiocruz em coedição com o Cebes - Centro Brasileiro de Estudos -, e Assis um dos coautores.

Na entrevista, eles falaram justamente sobre o teor inovador do livro, que analisou, ao longo de uma década, as mudanças no perfil dos gestores, na gestão e nos padrões de difusão de inovação das secretarias municipais de saúde no Brasil. No quesito inovação, o estudo evidenciou expressivos avanços na dimensão assistencial, que se refere aos programas de atenção implantados localmente, mas identificou dificuldades na dimensão gerencial, associada a questões de eficiência e produtividade.

Sonia Fleury é psicóloga, mestre em sociologia e doutora em ciência política; professora titular na FGV/EBAPE e pesquisadora aposentada da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz); militante da Reforma Sanitária, foi membro das diretorias do Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (Cebes) e da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco).

Confira a entrevista completa aqui.

LINKS
Canal Saúde da FIOCRUZ - Fundação Oswaldo Cruz
http://www.canal.fiocruz.br/programa/index.php?p=Ciencia-Letras

Sonia Fleury
http://ebape.fgv.br/corpo-docente/sonia-fleury

“Democracia e inovação na gestão local da saúde”
http://portal.fiocruz.br/pt-br/content/democracia-e-inovacao-na-gestao-l...
 


 

Dos movimentos sociais às manifestações de rua: em busca do sujeito

 


 

Blá-blá-blá nas promessas para saúde

São muitas as promessas feitas pelos candidatos ao governo do estado para resolver os problemas da Saúde, mas a especialista na área Sonia Fleury vê a maioria delas como blá-blá-blá de campanha.

No dia 04 de agosto de 2014, no Jornal Extra, a Professora da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas (FGV/EBAPE), Sonia Fleury, afirma que não adianta construir novos hospitais se não há gerenciamento, médicos e equipamentos nos que já existem.

Ela coloca em xeque ainda a preferência pelas Organizações Sociais de Saúde, em detrimento da valorização das carreiras estatais. "É fundamental criar um sistema de avaliação dos serviços prestados, haver transparência de gastos e ter uma rede integrada. Ninguém sabe para onde vai o dinheiro e, como não há acompanhamento dos contratos, eles fingem que tratam as pessoas". "Eles têm coragem de fechar bar. Mas, com a Saúde, não há parâmetros mínimos de qualidade. Deveriam fechar algumas e 96 reabrir quando tivessem condições de atender as pessoas".


 

Brazil — a nation of two halves

O jornal americado The Advertiser publicou em sua edição de 06 de junho de 2014 a matéria "Brasil - um país de duas metades" (tradução livre), que traz a discussão sobre a Copa do Mundo de 2014 eos problemas sociais envolvidos e consequentes, com um recorte específico sobre a situação do entorno do Maracanã, no Rio de Janeiro.

"Essas mega-eventos (Copa do Mundo e Jogos Olímpicos de 2016) faziam parte de uma construção simbólica da grande sociedade, a economia brasileira", professora Sonia Fleury, socióloga, cientista política e pesquisadora da Fundação Getúlio Vargas, diz. "As pessoas usaram isso para ampliar os problemas que ainda estavam tendo. Isso era algo que não era esperado.

"Todo mundo achava que as pessoas estariam muito orgulhosos de o Brasil ser considerado um dos grandes países do mundo e isso iria se juntar a todas as classes sociais e grupos, mas isso não é verdade. As pessoas não estavam reclamando sobre a situação econômica, eles estavam reclamando sobre os direitos dos seus cidadãos.

"Eu acho que a questão fundamental é o processo de tomada de decisão que não considera as prioridades da população e, em vez está colocando dinheiro em coisas como os aeroportos. É algo que as pessoas sentem é muito longe de suas vidas."

Leia a matéria na íntegra (em inglês)


 

Professora da FGV/EBAPE lança livro inovador sobre a saúde nos municípios do Brasil

A professora da FGV/EBAPE, Sonia Fleury, vai lançar no dia 2 de junho de 2014, às 17h, no XXX Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde, o livro “Democracia e Inovação na Gestão Local de Saúde”, no estande do CONASEMS – Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde –, na cidade de Serra, no Espírito Santo. Dividido em duas partes, a obra tem como coautores os mestres em administração pública Assis Mafort Ouverney e Felipe Barbosa Zani, o doutor em psicologia social Renato Cezar Möller, e a mestre em ciência política Thais Soares Kronemberger.

O livro, publicado pela Editora Fiocruz em coedição com o Cebes – Centro Brasileiro de Estudos da Saúde -, teve origem em um ambicioso projeto que, ao longo de uma década, analisou as mudanças no perfil dos gestores, na gestão e nos padrões de difusão de inovação das secretarias municipais de saúde. O objetivo geral da pesquisa era verificar o impacto do processo de descentralização da saúde e seus indicadores na democratização do poder local no Brasil. No quesito inovação, o estudo evidenciou expressivos avanços na dimensão assistencial, que se refere aos programas de atenção implantados localmente, mas identificou dificuldades na dimensão gerencial, associada a questões de eficiência e produtividade.

“Os avanços na área assistencial revelam o papel indutor do governo central e indicam a importância de que o Ministério da Saúde utilize os mesmos mecanismos para favorecer a inovação e a difusão de inovações gerenciais”, sugere a autora. Na pesquisa coordenada por Sonia Fleury, fez-se uma comparação entre os municípios mais e menos inovadores e, dessa forma, foi possível identificar algumas variáveis que favorecem e outras que obstruem a inovação.

Outros estudos já haviam se debruçado sobre o processo de descentralização, mas, em sua maioria, focalizaram um momento específico. Desse modo, forneceram somente um quadro estático, uma espécie de fotografia da estratégia utilizada e dos arranjos institucionais naquele determinado momento. O diferencial da pesquisa coordenada por Sonia Fleury foi justamente seu caráter dinâmico, com a comparação de dados coletados em dois momentos distintos, em 1996 e 2006, por meio da aplicação de questionários aos secretários municipais de saúde.

Os instrumentos de coleta de dados foram desenhados com o intuito de aferir dois aspectos centrais: a diversificação (do perfil do gestor) e a inovação (do desenho institucional e da dinâmica de funcionamento da secretaria). No caso da inovação, ela foi subdividida em três componentes: social (nas relações entre estado e sociedade, na participação e no controle social); gerencial (nas questões de eficiência e produtividade); e assistencial (nos programas de atenção implantados localmente).

“A hipótese que orientou a investigação inspirou-se no caráter virtuoso da descentralização, cujo processo conduziria à democratização da esfera local de governo, favorecendo maior interação com a sociedade civil e emergência de novos atores. Tal processo foi analisado tomando-se por base os conceitos de diversificação, relacionado ao perfil do gestor; e de inovação, envolvendo as dimensões institucionais – gerencial, assistencial e social”, disse Jairnilson Silva Paim, professor titular em política de saúde do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia – ISC/UFBA.

Para Sonia, o grande mérito do livro é apresentar uma base metodológica inovadora para a análise do processo de descentralização. “O produto mais importante que podemos oferecer a todos é uma base metodológica para o estudo do processo de descentralização, com vistas a compreender sua dinâmica e suas relações com a democratização do poder local e com a inovação na gestão local”, avalia Sonia Fleury.

“Quem lê o livro percebe, ao final da leitura, a enorme tarefa existente para fortalecer e aperfeiçoar a gestão municipal brasileira no campo da saúde. Quem sabe estudiosos de outras políticas públicas possam fazer pesquisas nesta mesma linha, para entender a dinâmica local numa visão tão ampla quanto a oferecida pela obra organizada por Sonia Fleury. Novas perguntas e especificidades, vistas de forma comparada, nos ajudarão a compreender de forma mais precisa o caleidoscópio federativo brasileiro no plano das políticas públicas”, disse Fernando Abrúcio, doutor em Ciência Política e professor do doutorado em Administração Pública e Governo da Fundação Getulio Vargas (FGV/SP).

Sonia Fleury é psicóloga, mestre em sociologia e doutora em ciência política; professora titular na FGV/EBAPE e pesquisadora aposentada da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz); militante da Reforma Sanitária, foi membro das diretorias do Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (Cebes) e da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco).


 

Professora da FGV/EBAPE fala sobre saúde na América Latina em Chicago

A professora Sonia Fleury foi uma das participantes do XXXII Congresso Internacional da Associação de Estudos Latino-Americanos – LASA 2014 -, um dos mais importantes eventos voltados para o estudo da América Latina. Nesta edição, que aconteceu de 21 a 24 de maio de 2014, no Palmer House Hilton, em Chicago (EUA), o debate foi em torno das consequências, a longo prazo, da memória coletiva e do desenvolvimento institucional do povo latino-americano, após anos sob a tutela de regimes autoritários.

No dia 23, Sonia apresentou o paper “Derecho a la salud en América Latina. Más allá de la universalización”, no grupo de trabalho “Determinantes sociales: marco conceptual de políticas e intervenciones para la equidad en salud”.

A LASA - Associação de Estudos Latino-Americanos -, organizadora do congresso, é a maior associação profissional do mundo composta de indivíduos e instituições dedicadas ao estudo sobre a América Latina.

LINKS
XXXII Congresso Internacional da Associação de Estudos Latino-Americanos – LASA 2014
https://lasa.international.pitt.edu/por/congress/


 

Professora da FGV/EBAPE falará sobre o momento sociopolítico do Brasil em São Paulo

A professora da FGV/EBAPE, Sonia Fleury, foi uma das palestrantes do BRASILSHOP – Congresso Internacional do Varejo - Edição São Paulo, que foi realizado nos dias 13 e 14 de maio de 2014, no Hotel Grant Hyatt, em São Paulo. Ela vai participar do painel “Momento sociopolítico: e agora José? Que momento!”, ao lado do filósofo Luiz Felipe Pondé da FAAP - Fundação Armando Álvares Penteado.

No painel, que teve a mediação do jornalista da Rede Bandeirantes Ricardo Boechat, foi discutido, no contexto nacional e internacional, se existem conexões entre algumas ações ocorridas recentemente no Brasil, como a Copa do Mundo, as manifestações, os rolezinhos, os black blocks e as eleições. Foi uma oportunidade também de discutir como a sociedade pode tirar lições do que passou e o que esperar do futuro a partir destes movimentos.

O BRASILSHOP é o principal evento voltado para o setor varejista de shopping center. Há 13 anos reúne proprietários e executivos de redes varejistas, shopping e administradoras, franqueados e franqueadores, profissionais acadêmicos, consultores, estudantes, entre outros. Nesta edição, além de São Paulo, o evento também será realizado em Goiânia, Fortaleza, Porto Alegre e Rio de Janeiro.

Mais informações no site do evento.

http://www.alshop.com.br/brasilshop2014/#nav-header


 

O Seminário Pensamento Atlântico comemora 10 anos (2004-2014)

A Professora da EBAPE/FGV e cientista política, Sonia Fleury, participou destes debates no "Seminario Atlántico de Pensamiento".
Em seu novo site que marca estes 10 anos do Seminário, realizado em 2004 em Las Palmas de Gran Canaria (Espanha), são encontrados conteúdos audiovisuais como a versão escrita das dezenas de conferências, entrevistas ao vivo e debates, incluindo os realizados pela Professora Sonia Fleury, que você pode conferir aqui.
 


 

UPP: um modelo autoritário que precisa ser repensado

"A UPP ficou nisso: um braço militar de amplos poderes", avalia Sonia Fleury, cientista política e Professora da EBAPE-FGV, onde coordena o Programa de Estudos da Esfera Pública.
Entrevista concedida ao Brasil de Fato, por telefone, para publicação em sua edição de novembro/dezembro de 2013.

Confira!


 

Carta abierta a los Ministras y Ministros responsables de la seguridad pública de las Américas Cuarta Reunión de Ministros en Materia de Seguridad Pública de las Américas (MISPA IV)


 

"A sociedade está se apropriando do poder. Temos que revitalizar a democracia"

Em entrevista para a Revista Adusp - Associação dos Docentes da USP, na edição de outubro, Sonia Fleury, pesquisadora e militante, afirma ter uma visão “muito positiva” das mobilizações iniciadas em junho deste ano.

Confira a entrevista completa


 

Livro internacional apresenta dois capítulos de professora da FGV/EBAPE

A professora da FGV/EBAPE, Sonia Fleury, participou da autoria de dois capítulos do livro “Propriedade Intelectual e políticas públicas para o acesso aos antirretrovirais nos países do Sul”, lançado recentemente no Espaço Itaú de Cinema, no Rio de Janeiro.

Ela participou dos capítulos “Os modelos locais de controle da epidemia de HIV/AIDS no Brasil” e “A cooperação entre o programa de AIDS brasileiro e o Banco Mundial: lições de uma parceria sustentável para os países do Sul”. Ambos em parceria com Guillaume Le Loup, Andreia Pereira de Assis, Maria Helena Costa Couto, Jean-Claude Thoenig, kenneth Camargo e Bernard Larouzé.

A obra, uma publicação da ANRS – Agence nationale de recherches sur le sida et les hepatites virales – (França), reúne o resultado de cooperação entre Brasil e a França na pesquisa em HIV/AIDS sob uma perspectiva interdisciplinar: a propriedade intelectual dos medicamentos ARV e o seu impacto sobre as condições de acesso a esses medicamentos nos países do Sul. Suas conclusões apontam para a importância da revisão das políticas globais e nacionais de propriedade intelectual, de inovação e de acesso às Multiterapias Antirretrovirais – ARVs.


 

O Mercado Sobe o Morro. A Cidadania Desce? Efeitos Socioeconômicos da Pacificação no Santa Marta

A Revista DADOS, volume 56, número 3, de novembro de 2013, traz artigo da Professora Sonia Fleury e Sabrina Ost. O artigo é fruto da dissertação de Sabrina Ost para a Fundação Getúlio Vargas intitulada "O Mercado Sobe a Favela: Um Estudo sobre o Santa Marta pós-UPP", sendo um dos resultados do projeto Cidadania e Discriminação como Critérios de Análise de Políticas Púclicas, do PEEP - EBAPE/FGV.

Uma versão anterior deste artigo foi apresentada no XXXVI Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (EnANPAD), em 2012.

Segue o artigo completo.


 

No Rio, orla e praia oferecem a jovens mais opções

Com toda essa área livre, por que os jovens do Rio aderiam agora ao rolezinho ao estilo paulista? Como fenômeno social novo, cientistas sociais ainda analisam os acontecimentos recentes a procura de uma explicação. Mas há alguns hipóteses que começam a ganhar corpo. Cientista política da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e estudiosa de temas como consumo e pobreza, Sonia Fleury acredita que o Rio copia São Paulo por solidariedade.

- No Rio, os rolezinhos ganharam um caráter político. Assim como ocorreram nas manifestações de junho do ano passado. Primeiro, houve uma reação forte em São Paulo, especialmente por parte da polícia; depois, atos de solidariedade que se disseminaram por outras cidades. Portanto, o rolezinho em shoppings do Rio tenta denunciar o que os jovens consideram uma ação que vai contra um direito seu de ir e vir. Muitas vezes isso está amparado num preconceito, porque se trata de jovens negros e pobres. Não descarto essa possibilidade de os ‘rolezinhos’ também ocorreram nas praias. Aqui, tudo acaba em praia, e isso pode acontecer. Mas se acontecer deverá também ter esse caráter político — diz Sonia.

Confira a entrevista publicada em O Globo, em janeiro de 2014!


 

Professora da FGV/EBAPE analisa os rolezinhos no Brasil em entrevista à rádio francesa

A professora da FGV/EBAPE, Sonia Fleury, foi convidada pela Rádio França Internacional para falar sobre o novo fenômeno que tomou conta dos shoppings centers no Brasil recentemente: os “rolezinhos”. Na entrevista, Los centros comerciales de Brasil, invadidos por los “rolezinhos”, a cientista política analisou os encontros como uma ação coletiva que traz, numa sociedade de consumo, as preferências dos jovens, mas que também pode ser encarada como uma manifestação política.

“Esta ação coletiva transpõe os limites impostos pela sociedade, sendo, portanto, uma manifestação política, não importando a consciência que tenha cada um deles individualmente. A “nova classe média brasileira”, que estava contente por agora ascender na sociedade de consumo, entra em pânico com os jovens que buscam o mesmo. Os "rolezinhos" são, na verdade, fenômenos que criticam e destacam esta linha que marca a segregação social na sociedade brasileira”, disse na entrevista.

Os "rolezinhos" são encontros de jovens da periferia em centros comerciais (shopping centers), organizados por meio de redes sociais, que tem gerado rejeição por parte dos comerciantes e medidas repressivas pelas autoridades.

LINKS
Sonia Fleury
http://ebape.fgv.br/corpo-docente/sonia-fleury Los centros comerciales de Brasil, invadidos por los “rolezinhos” http://www.espanol.rfi.fr/americas/20140122-los-centros-comerciales-de-brasil-invadidos-por-los-rolezinhos">http://ebape.fgv.br/corpo-docente/sonia-fleury

Los centros comerciales de Brasil, invadidos por los “rolezinhos”
http://www.espanol.rfi.fr/americas/20140122-los-centros-comerciales-de-brasil-invadidos-por-los-rolezinhos


 

"Moradores têm medo porque sabem que tráfico continua, diz especialista sobre UPPs"

A coordenadora do Programa de Estudos sobre a Esfera Pública da FGV/EBAPE, professora Sonia Fleury, falou sobre a ocupação das UPPs – Unidade de Polícia Pacificadora – nas comunidades carentes no Rio de Janeiro, na matéria “Moradores têm medo porque sabem que tráfico continua, diz especialista sobre UPPs”, divulgada no dia 25 de outubro de 2013, no portal UOL Notícias.

Na matéria, Sonia disse que a permanência dos criminosos nos locais com Unidades de Polícia Pacificadora dificulta a identificação dos moradores com a política pública de segurança implantada desde 2008. "Eles sabem que os criminosos estão lá, vendo o que está acontecendo, e por isso muitas vezes não querem se identificar com as UPPs, para não se comprometerem com eles [os traficantes]".

Leia a matéria na íntegra.
 


 

SUS continua sendo a única política universal na área de Seguridade, afirma professora para O Globo

A Constituição Brasileira completou 25 anos no dia 5 de outubro de 2013. Entre os legados deixados para a população destacam-se: o Sistema Único de saúde (SUS); a igualdade de gêneros e a tipificação do crime de racismo; o fortalecimento do Ministério Público; a Defesa do Consumidor; a determinação da liberdade de expressão, entre outros.

E para comemorar a data, o jornal O Globo publicou uma edição especial sobre o assunto (Especial Constituição 25 anos) que teve início no dia 29 de setembro. A primeira matéria, intitulada “Conquistas e frustações”, a cientista política e professora da FGV/EBAPE, Sonia Fleury, falou especificamente sobre o SUS. Ela, afirmou que o sistema, apesar de subfinanciado, continua sendo a única política universal na área de Seguridade.

“Foi criado o capítulo da ordem social, com o orçamento próprio da Seguridade e essas três áreas: Saúde, Previdência e Assistência Social”, disse Sonia, que na Constituição assessorou a elaboração deste capítulo.

Leia a matéria na íntegra.

LINKS
jornal O Globo
http://oglobo.globo.com/


 

"O sono do Gigante"

A Alshop - Associação Brasileira de Lojistas de Shopping, traz, na edição de Outubro de sua Revista ALSHOP, entrevista com a Professora da EBAPE/FGV, coordenadora do PEEP e cientista política, Sonia Fleury, sobre a questão: "Como fica a democracia, no Brasil, após as manifestações de junho?"

Em "O sono do gigante", Sonia Fleury responde essa e outras questões como "Os jovens conquistaram o poder?", "Os partidos políticos irão se reorganizar?", "Afinal, o Gigante acordou"?

Confira a entrevista completa aqui.


 

Trabalho de pesquisadoras do PEEP recebe Menção Honrosa em Congresso

O trabalho “UPP Social e Territórios da Paz: um estudo sobre as políticas públicas sociais nas favelas do Rio de Janeiro e sua estruturação em redes”, das pesquisadoras do Programa de Estudos da Esfera Pública (PEEP) da FGV/EBAPE, Isadora Silva de Araujo (bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) e aluna da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ), e Clara Gomes Polycarpo Peres (bolsista do Programa de Apoio à Pesquisa e Produção Acadêmica Docente – ProPesquisa da FGV/EBAPE e aluna da Universidade Federal Fluminense - UFF), recebeu Menção Honrosa na Categoria Graduandos/Graduados, “Sociólogos do Futuro”, no XVI Congresso Brasileiro de Sociologia, realizado de 10 a 13 de setembro de 2013, em Salvador (BA).

O trabalho é resultado de uma pesquisa desenvolvida pelo PEEP que teve o objetivo de analisar os programas de políticas públicas sociais UPP (Unidade de Política Pública) Social e Territórios da Paz em três favelas com UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora): Santa Marta (Botafogo), Chapéu Mangueira (Leme) e Babilônia (Leme), localizadas na cidade do Rio de Janeiro, no período de 2011 a 2013.

Verificou-se que as redes de política pública se realizam de diferentes formas de acordo com as dinâmicas locais. De acordo com o trabalho, estas políticas se apresentam de forma mais densa e efetiva nas áreas em que já existiam grupos de ação social e coletiva, antes mesmo da implementação dos programas estudados, pois o nível de articulação é maior.

Para as pesquisadoras, “o trabalho ratifica a necessidade de trabalhar-se a questão das políticas de uma forma mais descentralizada, levando em conta que a gestão destas políticas públicas – pela complexificação, tanto do Estado como da própria sociedade – apresenta-se com um menor protagonismo do governo central”.

 


 

Artigo de professora da FGV/EBAPE é citado em matéria de Adib Jatene na Folha de São Paulo

O artigo “Welfare ao warfare state”, de autoria da professora Sonia Fleury, foi citado na coluna de Adib Janete, na edição do dia 12 de setembro de 2013, do jornal Folha de São Paulo. O texto, que foi divulgado em fevereiro no "Le Monde Diplomatique Brasil", juntamente com uma série de artigos produzidos pelo Programa de Estudos sobre a Esfera Pública da FGV/EBAPE (PEEP), falou sobre a transmutação regressiva do social no Brasil, em que prevalece o incentivo ao empreendedorismo individual e ao consumismo, em detrimento de formas solidárias de sociabilidade e da existência de mecanismos institucionais de proteção social pública. Isso, de acordo com Sonia, tem afastado a sociedade dos ideais de democracia social que foram corporificados no texto constitucional.

“Conforme constatou Sonia Fleury em artigo publicado no "Le Monde Diplomatique Brasil" ("Do Welfare ao Warfare State"), apesar de a nossa Constituição ter estabelecido o objetivo da democracia social, sob o primado da justiça social, o que assistimos é a uma regressão”, disse Adib em seu artigo.

Adib D. Jatene é cardiologista, professor emérito da Universidade de São Paulo (USP) e diretor-geral do Hospital do Coração. Foi ministro da Saúde (governos Collor e FHC), secretário estadual da Saúde de SP (governo Maluf) e diretor do InCor (Instituto do Coração).

LINKS

“Welfare ao warfare state”
http://ebape.fgv.br/noticias-destaques/le-monde-diplomatique-brasil-publica-artigos-produzidos-pelo-peep

"Le Monde Diplomatique Brasil"
http://www.diplomatique.org.br/edicao_mes.php

Do Welfare ao Warfare State
http://ebape.fgv.br/sites/ebape.fgv.br/files/Do%20welfare%20ao%20warfare%20state%20-%20Sonia%20Fleury.pdf
 


 

"INSTANTÂNEOS DE UM ESPAÇO POLÍTICO: ocupando a cidade"

No período em que milhares de pessoas em todo o Brasil tomaram as ruas, em manifestações que nasceram nas redes sociais da internet e transbordaram para o espaço concreto das cidades, a Revista V!RUS conversou com a Professora da EBAPE/FGV, onde coordena o PEEP, e Doutora em Ciência Política, Sonia Fleury.

Esta conversa está na edição número 9 da Revista V!RUS, sob o tema "A cidade e os outros", e discute questões sobre o espaço público, o espaço virtual, a cidade e a democracia no Brasil:
"INSTANTÂNEOS DE UM ESPAÇO POLÍTICO: ocupando a cidade".


 

Livro da Fundação Heinrich Böll Brasil apresenta capítulo de professora da FGV/EBAPE sobre a nova classe média

A professora da FGV/EBAPE e doutora em Ciência Política, Sonia Fleury, participou do livro da Fundação Heinrich Böll Brasil, "A 'Nova Classe Média' no Brasil como conceito e projeto político", lançado no dia 27 de agosto de 2013, no Instituto Pólis, em São Paulo. Ela é autora do capítulo “A Fabricação da Classe Média: projeto político para nova sociabilidade", e participou também do debate promovido entre alguns dos autores no dia do lançamento da obra.

A publicação reúne artigos de cientistas sociais de algumas das mais prestigiadas universidades e assim como de altos representantes da sociedade civil brasileira. Traça um painel das mudanças ocorridas na estrutura social do país na última década para buscar compreender o quanto a emergência da chamada “Nova Classe Média” (NCM) tem de real ou de estratégia de marketing político do Governo do PT.

LINKS

Acadêmicos e ativistas sociais discutem a “nova classe média”

DEBATE: A "Nova Classe Média" no Brasil como conceito e projeto político

Para BAIXAR o livro "A 'Nova Classe Média' no Brasil como conceito e projeto político"

Fundação Heinrich Böll Brasil

Instituto Pólis

“A Fabricação da Classe Média: projeto político para nova sociabilidade"
 


 

Seminário "FAVELA é CIDADE" | Seminar "THE FAVELA is THE CITY"

O Seminário "FAVELA é CIDADE" reuniu no Santa Marta, em novembro de 2012, lideranças e moradores de várias favelas do Rio de Janeiro para discutir a política das UPPs. Neste debate você poderá conhecer o ponto de vista dos moradores, que quase nunca está presente nos meios de comunicação.
Aproveite a oportunidade para conhecer essa realidade vista pelos olhos e pela voz daqueles que a vivem, refletem sobre ela e resistem.
Ajude-nos a divulgar este trabalho em suas redes sociais.
Os temas debatidos foram:
Cidadania; Estado, Mercado e Sociedade; Direito à Moradia; Controle Social; Juventude e Participação e Resistência.
Você poderá ver cada um deles separadamente aqui:
Capítulo 1
Capítulo 2
Capítulo 3
Capítulo 4
Capítulo 5
Capítulo 6
Ou o vídeo completo aqui!

Esta é uma produção do PEEP - EBAPE/FGV, com edição da PAÊBIRÚ Realizações e tradução e legendas de Bruno de Abreu Fantini.


 

59 anos da ENSP reúne sanitaristas históricos

A professora, coordenadora do Programa de Estudos da Esfera Pública da FGV/EBAPE (PEEP) e ex-presidente do Cebes, Sonia Fleury, participou do 59º aniversário da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP), realizado de 3 a 6 de setembro de 2013, no auditório térreo da ENSP, no Rio de Janeiro.

No evento, mais conhecido como Semana Sergio Arouca em homenagem ao sanitarista falecido em 2003, Profª Sonia participou da mesa-redonda "A 8ª Conferência Nacional de Saúde e o SUS: a Reforma Sanitária acabou", ao lado de Nelson Rodrigues dos Santos, da Universidade Federal de Campinas (Unicamp), no dia 03 de setembro.

Já estão disponíveis, no canal da ENSP, no YouTube, as quatro mesas de debate que integraram os dois primeiros dias (3 e 4/9) da Semana Sergio Arouca. Além da solenidade de abertura, com as homenagens ao Cebes e a Abrasco, é possível assistir a outros três debates realizados no auditório térreo: A 8ª Conferência Nacional de Saúde e o SUS: a Reforma Sanitária acabou?; Para onde vai o SUS?; e Os movimentos sociais participam das políticas de saúde?

Confira a mesa "A 8ª Conferência Nacional de Saúde e o SUS: a Reforma Sanitária acabou" com a Profª Sonia Fleury, em duas partes:
Parte 1
Parte 2

Confira a participação completa da Profa. Sonia Fleury.


 

"O gigante nunca dormiu"

Na edição de agosto da Revista Cidade Nova - Fraternidade em Revista, sobre o tema #obrasiléseu, Sonia Fleury, Professora da EBAPE/FGV e Doutora em Ciência Política, é entrevistada em "O gigante nunca dormiu".

Participante ativa na luta pela democratização da saúde, Sonia Fleury fala sobre as manifestações de junho ocorridas no país e sobre a participação cidadã que há tempos acontece no Brasil, ainda que a passos lentos e silenciosos, a fim de aprofundar e radicalizar a democracia.

Confira a entrevista completa.


 

"Manifestações mostram insatisfação popular" 

Em entrevista ao jornal "Vozes das Comunidades" para a edição de setembro, a professora da EBAPE/FGV e doutora em ciência política, Sonia Fleury, avaliou as mobilizações que tomaram as ruas em junho deste ano. Ela considera que este momento é importante para lutar pela participação pública nos processos de tomada de decisão da cidade e nos debates do modelo de cidade que temos.

Confira, na página 9 desta edição!


 

"¿Esclavitud o xenofobia? La polémica llegada de médicos cubanos a Brasil"

A Professora Doutora Sonia Fleury foi entrevistada, no dia 29 de agosto de 2013, pela BBC em matéria "¿Esclavitud o xenofobia? La polémica llegada de médicos cubanos a Brasil" ("Escravidão ou xenofobia? A polêmica chegada de médicos cubanos ao Brasil", tradução livre).

"Es una cuestión política después de todo, estamos a un año de las elecciones y el tema toca algo que para la gente común y corriente es muy importante: tener un médico"
(Sonia Fleury)

Segue a matéria completa na BBC Mundo.


 

"Brasilien, Land des schönen Scheins" - Südwind-Magazin

A Professora da EBAPE-FGV e Doutora em Ciência Política, Sonia Fleury, foi entrevistada no dia 30 de julho de 2013 para matéria da edição de setembro da revista austríaca Südwind-Magazin, nº 9.

Confira!
"Brasilien, Land des schönen Scheins" - em tradução livre, "Brasil, terra da bela aparência".
Philipp Lichterbeck conversou com ela sobre as razões para a onda de protestos, analisando a posição da esquerda, em tão grande demanda na mídia brasileira.

"O Brasil é a sexta maior economia do mundo, mas o transporte, saúde, educação e segurança pública estão no nível de um país em desenvolvimento." (Sonia Fleury)


 

"Manifestações e vandalismo desafiam a democracia"

A Fundação alemã Heinrich Böll publicou no dia 31 de julho em seu veículo brasileiro, Heinrich Böll Stiftung, o artigo "Manifestações e vandalismo desafiam a democracia" de autoria da Professora da EBAPE-FGV e doutora em ciência política Sonia Fleury.

O artigo analisa a conjunta de manifestações de junho de 2013 como um desafio à democracia brasileira.

Confira a versão no veículo da Fundação Heinrich Böll no Brasil!

E confira também a matéria publicada na sede, em alemão!


 

 "Não é só reforma política, são os direitos sociais!"

Artigo da Professora da EBAPE-FGV e cientista política Sonia Fleury publicado no dia 30 de julho na Plataforma Política Social.

- As manifestações evoluíram como uma espiral, ampliando a cada momento o número e a diversidade de participantes, incluído, a partir da redução da tarifa dos transportes, demandas diversificadas, embora tendo como costura comum a cobrança de direitos que estavam sendo desrespeitados. Uma pauta coletiva, envolvendo direitos cidadãos à saúde, educação, transporte e segurança de qualidade foi-se afunilando ao longo do tempo.

"Seguramente a reforma política é uma agenda pendente, apesar de que ela não poder ser resumida a uma reforma eleitoral. Impossível esquecer a voz das ruas e suas demandas por maior participação política. Apesar de a maior mudança recente no sistema político ter sido fruto da iniciativa popular legislativa, com a aprovação da Lei da Ficha Limpa, na proposta encaminhada pela Presidente ao Congresso a demanda por uma nova regulamentação do artigo 14 da Constituição não foi incluída. Essa revisão deveria propor a redução do numero de assinaturas na iniciativa popular legislativa ao mesmo para criação de partidos; a definição prioridade para tramitação de iniciativa popular legislativa; a introdução do recall; a possibilidade de convocação de referendo e plebiscito por iniciativa popular, o estabelecimento de áreas nas quais a decisão legal deveria passar necessariamente por convocação da aprovação da população.
Dessa forma, a agenda institucional se aproximaria um pouco das demandas populares." (FLEURY)

Confira o artigo completo!


 

"A revolução será musicada" - Coletivo Vinhetando

Confira a série documental produzida pelo Coletivo Vinhetando ao Canal Brasil sobre as Jornadas de Junho. 

O projeto conta com a fala da Profa. da EBAPE/FGV e cientista política Sonia Fleury.


 

Entevista de Sonia Fleury ao Jornal da GloboNews em nova edição, com imagens das manifestações

Em entrevista ao Jornal da GloboNews do dia 19 de junho de 2013., Professora da EBAPE-FGV, onde coordena o Programa de Estudos da Esfera Pública (PEEP), e Doutora em Ciência Política, Sonia Fleury, fala sobre as manifestações do Rio de Janeiro e a crise de democracia no país.
Edição da entrevista, com imagens do documentário "Domínio Público" e Seminário "Favela é Cidade".

Confira o vídeo!
 


 

La Vanguardia - "Diez días que sacudieron Brasil"

O jornal La Vanguardia publicou na edição do dia 11 de julho de 2013, o artigo “Diez días que sacudieron Brasil”, de autoria da professora da EBAPE, Sonia Fleury. No veículo, um dos mais influentes da Espanha, ela fala sobre as causas e consequências das manifestações que mobilizaram milhares de pessoas em todo o Brasil no mês passado.

Sonia Fleury é a doutora em Ciência Politica e professora titular da EBAPE, onde coordena o Programa de Estudos da Esfera Pública – PEEP, voltado para a identificação das transformações nas relações entre Estado e Sociedade que fundam novas práticas orientadas à governabilidade democrática, por meio da institucionalização de espaços públicos que garantam a participação cidadã, plural e deliberativa.

Confira o artigo.
 


 

 “Cabral tem soberba política”

Em matéria publicada no Canal Ibase no dia 5 de julho, a Professora da EBAPE-FGV e cientista política, Sonia Fleury, analisa a postura do governador Sérgio Cabral frente às manifestações que mobilizaram o Rio de Janeiro neste último mês de junho, classificando-a como "autoritária".

"- Sérgio Cabral conseguiu fazer uma integração pelo lado mais perverso: o de tratar as pessoas no Leblon como trata nas favelas, com uma extrema brutalidade – afirmou, completando: – Enquanto isso, as pessoas querem respostas."

Veja a matéria completa.


 

Jornal da Saúde - Saúde lidera ranking de reclamação dos brasileiros, segundo pesquisa DataFolha

No útlimo dia 5 de julho, a matéria principal do Jornal da Saúde, do Canal FIOCRUZ, contou com a participação, em entrevista, da Professora da EBAPE-FGV, Doutora em Ciência Política e ex-presidente do CEBES, Sonia Fleury. O programa teve a intenção de discutir e repercutir a pesquisa feita pelo Data Folha (30\06) que diz que 48% dos brasileiros entrevistados acham que a saúde é o maior problema vivido hoje pelo país.

Segue a matéria completa, com a opinião da Profa. Dra. Sonia Fleury.


 

"Manifestantes prometem voltar hoje à casa de Cabral"

Veiculada primeiramente pelo Valor Econômico no dia 04 de julho, matéria fala sobre o Governador Sérgio Cabral como foco principal de cartazes e palavras de ordem nas ruas do Rio de Janeiro, em gritos como "fora Cabral" e "Cabral ditador". Os manifestantes se organizam em atos em frente à residência de Cabral pedindo o "impeachment do governador em repúdio à brutalidade policial".

Em matéria, a Professora da EBAPE-FGV e cientista política, Sonia Fleury ainda comenta sobre a postura do Governador, que, durante duas semanas de protestos, não apareceu:
"Ele não apareceu nem no dia em que o Geraldo Alckmin [governador de São Paulo], Fernando Haddad [prefeito de São Paulo] e o Eduardo Paes [prefeito do Rio] anunciaram a redução das passagens. É uma desconsideração com o outro. Na maior parte do tempo ele é um governador ausente. Sempre o Pezão [vice-governador] chega primeiro".

Veja a matéria na íntegra.
 


 

Vandalismo não!

O Pesquisador do Programa de Estudo da Esfera Pública - PEEP e doutorando em Planejamento Urbano - IPPUR/UFRJ, Júlio César Borges dos Santos, analisa as manifestações recentes no Brasil, de junho de 2013, - que gritam pela reforma política, pela democratização dos meios de comunicação, transporte público de qualidade, investimento em educação e saúde, desmilitarização da polícia, entre outras reinvindicações -, fazendo levantamentos dos atos do que está sendo considerado como "vandalismo" e, assim, fala sobre a consciência política destes protestos e dos que deles participam.

Confira!


 

Reforma Política - Plebiscito e Referendo

Vídeo produzido pela Plataforma dos Movimentos Sociais pela Reforma Política, em 2012, onde a Professora da EBAPE/FGV e Doutora em Ciência Política, Sonia Fleury, mostra, em entrevista, a sua posição sobre plebiscito, referendo e reforma política. 

Confira o vídeo completo.


 

A vitória foi além dos 0,20: aumentou a qualidade da democracia

Doutora em Ciência Política e Professora da EBAPE/FGV, Sonia Fleury, em artigo publicado no dia 24 de junho em site "Direitos Sociais", resgata, em meio a tantas lutas e algumas vitórias, o foco na qualidade da democracia em nosso país, sugerindo o aprofundamento de outras 'bandeiras'.

"As perplexidades que assolaram analistas e observadores decorreram tanto da grandiosidade inesperada das manifestações e seu efeito multiplicador no espaço e no tempo, como também pela diversidade das críticas apresentadas em cartazes artesanais, mostrando que não há uma organização centralista por trás da enorme rede que se mobilizou e colocou o tema da política no centro da vida de todos."

Confira!


 

Sonia Fleury, Professora da Ebape comenta sobre as manifestações relativas à redução nos preços das passagens dos transportes

A Professora da EBAPE-FGV e doutora em ciência política, Sonia Fleury, em entrevista e coletiva na Globo News no dia 19 de junho de 2013, discute sobre as manifestações populares, o espírito deste movimento, e, a favor da sociedade, critica a falta de planejamento do governo e despreparo da polícia, que, segundo ela "foi montada pra reprimir as classes populares e defender interesses de classe, por isso não sabe lidar com manifestações democráticas".

Segue a entrevista completa, dividida em duas partes:

Primeira Parte

Segunda Parte


 

"Estado, Democracia e Desenvolvimento”, Seminário “Desafios e oportunidades do desenvolvimento brasileiro – Aspectos sociais”, UNICAMP

A Doutora em Ciência Política e Professora da EBAPE-FGV, onde coordena o PEEP, Sonia Fleury, participou, no dia 8 de maio de 2013, do ciclo de seminários “Desafios e oportunidades do desenvolvimento brasileiro – Aspectos sociais”, no Auditório do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP.
A Professora Sonia palestrou na mesa "Estado, Democracia e Desenvolvimento”, coordenada por Silvio Caccia Bava (Le Monde Diplomatique Brasil), ao lado de André Vitor Singer (USP-Universidade de São Paulo), Jose Antonio Moroni (Inesc-Instituto de Estudos Socioeconômicos) e Vladimir Safatle (USP-Universidade de São Paulo).

O seminário tinha como objetivo identificar, debater e analisar as grandes questões do desenvolvimento brasileiro, identificando os principais desafios – e alternativas e políticas para enfrentá-los – derivados da crise do padrão global de acumulação e da transição para um novo modelo de produção e consumo dinâmico e adaptado às exigências da sociedade do conhecimento, focado na redução das desigualdades sociais e na elevação sustentada das condições de vida e de trabalho da população. Tratou-se de seminário balizador de uma série de oficinas de trabalho setoriais que serão desenvolvidas posteriormente visando à construção de uma agenda para o desenvolvimento na perspectiva da proteção social.

Segue o vídeo completo de sua mesa: Mesa 8 - "Estado, Democracia e Desenvolvimento”.

E o artigo da Professora Sonia de sua participação no Seminário.
 


 

Megaeventos e "uma limpeza urbana injustificada''

A Professora da EBAPE-FGV e Doutora em Ciência Política, Sonia Fleury, em entrevista por telefone à IHU On-Line, no dia 28 de maio de 2013, comenta sobre os dados do documento "Megaeventos e violação dos direitos huimanos no Rio de Janeiro" e, então, sobre os processos de remoção que a população vem sofrendo.
"Esses processos das remoções têm tido um impacto muito grande nas relações sociais", diz a cientista política.
___

A reestruturação urbana do Rio de Janeiro irá remover "cerca de 30 mil pessoas, dando prioridade para investimentos empresariais e negócios", disse Sonia Fleury à IHU On-Line. Para ela, "trata-se de um processo decisório, autoritário, fechado, não transparente e simbolicamente muito violento".

Para a realização dessa reestruturação, foi criado um "projeto de segurança pública e de investimento nas favelas, especialmente nessas que têm uma interface maior com a zona onde irá haver os eventos da Copa: as UPPs". A cientista política acompanha a ocupação militar nas favelas e enfatiza que ela não está "acompanhada de um avanço nos serviços e nos direitos de cidadania".

E esclarece: "A suposta integração da população à cidade, na medida em que ela é marginalizada e favelada, está acontecendo através do comércio, ou seja, entra o BOPE e, em seguida, entram os serviços formalizados".

Confira a entrevista na íntegra.


 

UPP exatamente para quê? | Redes da Maré

A Professora da EBAPE-FGV e doutora em Ciência Política, Sonia Fleury, em entrevista para o Jornal "Maré de Notícias" no "Redes de Desenvolvimento da Maré" reflete sobre a função das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs): Pacificação ou militarização?

Pesquisadora da FGV e coordenadora do PEEP-Programa de Estudos sobre a Esfera Pública, Sonia Fleury discute e afirma que as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) não respeitam o morador da favela como cidadão. Muito pelo contrário, as políticas públicas têm sido decididas sem diálogo com a comunidade, sendo as UPPs então assim chamadas por ela de "militarização", por praticar um "controle militar" sobre os moradores e trabalhadores das favelas.
 
Confira os principais trechos da entrevista neste link.

 

A privatização lucrativa, a antidemocracia e o desmonte dos sistemas públicos de saúde

Em entrevista ao Canal Cebes, a ex-presidente da entidade e Professora da Fundação Getúlio Vargas, Sonia Fleury, fala sobre os processos de privatizações dos sistemas de saúde.

"Essa forma de articulação é uma restrição democrática e a consequência disso é a privatização da gestão pública e da privatização lucrativa, tanto da gestão quanto da execução das políticas sociais. (...) Impressionante que essas medidas que estão sendo adotadas aqui, estão sendo no momento em que a Europa assiste o deblaque dos sistemas públicos de saúde mais tradicionais, exatamente porque se tornaram modelo desse modelo, como o sistema inglês".

Confira o vídeo da entrevista completa aqui.


 

A saúde do Sistema Único

A professora da EBAPE e coordenadora do Programa de Estudos Sobre a Esfera Pública (Peep), Sonia Fleury, falou sobre a atual situação do Sistema Único de Saúde (SUS) em recente entrevista concedida para a revista do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – Ipea, nº 76. Na matéria “A saúde do Sistema Único”, especialistas e estudiosos no assunto opinam sobre o livro “SUS: o desafio de ser único”, do economista e técnico de Planejamento e Pesquisa do Ipea, Carlos Octávio Ocké-Reis (Editora Fiocruz, Rio de Janeiro, 2012).
 
Profª Sonia, que é uma das principais lideranças da reforma sanitária no Brasil, fez uma ponderação ao livro: “Ele parte da ideia de se criar um único sistema. Sou contra isso. O Sistema Nacional de Saúde é para juntar o público e o privado. Carlos Octávio [Ocké-Reis] e eu temos o mesmo objetivo, a defesa do SUS, mas penso que essa é uma estratégica politicamente equivocada”, explicou.
 

 

"O que está acontecendo é um tipo de remoção branca. Os turistas estão invadindo a favela. A favela virou uma mercadoria"

Publicado em 3 de março de 2013, Jornal do PCO
 
No aniversário de quatro anos da primeira UPP Causa Operária entrevista a doutora em Ciência Politica e professora na Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas na FGV, onde coordena o Programa de Estudos da Esfera Pública. Sônia Fleury fala da militarização dos espaços ocupados pelo Estado e do desenrolar dessa política conservadora, que prega o empreendedorismo e individualismo e transforma toda a cidade em mercadoria.
 
Confira a entrevista completa aqui

 

Aberto o debate: o que fazer com mais recursos para a Saúde?

A necessidade de maior financiamento público para a saúde no Brasil vem assumindo premência e o retardamento na solução dos problemas relativos à essa necessidade reflete o real compromisso da União com o Sistema Único de Saúde (SUS). Para aprofundar o debate, o Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (Cebes) perguntou a alguns atores do setor sobre “o que fazer com mais recursos para a saúde”.
 
Confira!

 

Le Monde Diplomatique Brasil publica artigos produzidos pelo Peep

Publicado em 8 de fevereiro de 2013, EBAPE.
 
A atual edição da revista Le Monde Diplomatique Brasil divulgou esta semana uma série de artigos produzidos pelo Programa de Estudos sobre a Esfera Pública – PEEP – da EBAPE, que tem como coordenadora a professora Sonia Fleury. Ela foi a responsável pela organização da temática central da publicação: “Sob o domínio do medo”, com pesquisadores convidados que participaram do Seminário FAVELA É CIDADE.
Os artigos abordam temas ligados à segurança pública e violência em grandes cidades, como o Rio de Janeiro e São Paulo, bem como ações do poder público em áreas pacificadas, seus impactos na sociabilidade e no desenho da proteção social no Brasil.
 
O PEEP busca identificar as transformações nas relações entre Estado e Sociedade que fundam novas práticas orientadas à governabilidade democrática, por meio da institucionalização de espaços públicos que garantam a participação cidadã, plural e deliberativa.

Editorial - Sob o domínio do medo
Silvio Caccia Bava

Do welfare ao warfare state
Por Sonia Fleury

Rio: marca registrada da participação pacificada
Por Sonia Fleury, Julio C. Santos, Frederico Bertholini e Sabrina Guergh

Associações de moradores precisam repensar seu papel nas favelas
Entrevista de Itamar Santos concedida a Sonia Fleury, Sabrina Guerghe e Juliana Kabad

Território e ocupação: afinal, de que regime se trata?
Por Márcia Pereira Leite

A cor dos homicídios no Brasil
Por Julio Jacobo Waiselfisz

O controle do crime violento no Rio de Janeiro
Por Luiz Antonio Machado da Silva

Vinte anos de PCC em São Paulo: o espaço entre governo e crime
Por Gabriel de Santis Feltran


 

As veias abertas do SUS

Entrevista publicada em 10 de janeiro de 2013, no site do Lappis.
 
Por Ana Claudia Peres
 
Em entrevista ao BoletIN, a pesquisadora conversou sobre o papel do Estado e o que ela chama de “veias abertas do SUS”, condenou os princípios de mercado quando aplicados ao planejamento das ações públicas e apontou para a “crônica de uma morte anunciada”, caso não sejam avaliadas as parcerias excessivas que vêm sendo feitas com o setor privado na área da saúde.
 
Leia a entrevista completa aqui.

 

Brasileiro apoia Bolsa Família, mas considera pouco eficaz

Publicado em 13 de janeiro de 2013, no jornal O Globo
 
Por Alessandra Duarte
 
"Mais da metade dos brasileiros quer que o Bolsa Família continue. Mas também mais de 50% acreditam que o programa não tira muitas pessoas da pobreza, enquanto quase 40% acham que os pobres continuam pobres mais por falta de esforço do que de oportunidades".
 
Leia a matéria completa aqui.

 

Las favelas brasileñas, eje de un modelo de contención

Publicado em 8 de dezembro de 2012
 
Matérias especiais publicadas no jornal Tiempo Argentino, sobre a proposta de pacificação das favelas do Rio de Janeiro

 

Sônia Fleury fala sobre suas percepções sobre o SUS

Publicado em 6 dezembro 2012
 
Em entrevista exclusiva ao Movimento Participação Médica, Sônia Fleury, Doutora em Ciência Política pelo IUPERJ, Mestre em Sociologia pelo IUPERJ, Bacharel em Psicologia pela UFMG e autora de mais de dez livros sobre Previdência Social, políticas públicas e saúde, fala sobresuas percepções a respeito do Sistema Único de Saúde e sobre a morte progressiva desse sistema.
 
Leia a entrevista completa no site Participação Médica

 

Moderno é envelhecer com dignidade

Publicado em 21 Novembro 2012
 
A autora contesta artigo publicado por Fabio Giambiagi (Globo 5/11/2012) que defende nova rodada de supressão de direitos na Seguridade Social. Para Sonia Fleury, membro do Plataforma, tais propostas representam “uma visão atualizada de um liberalismo envelhecido, porque eivado de falácias”.
 
Leia o texto completo no site Plataforma Política Social

 

“Problema do SUS é o abandono da gestão pública”

por Maria Carolina Buriti | Revista FH
Publicada em 6 de novembro de 2012
 
Para a professora e pesquisadora da FGV, Sônia Fleury, a ideia de integração entre o público e o privado se traduz em um sistema público que virará um financiador da área privada.
 
Leia a entrevista completa no site Saúde Web

 

Democracia direta e Democracia representativa

Videos produzidos pelo Instituo de Estudos Socioeconômicos - INESC, sobre reforma política. Participação da professora Sonia Fleury.

 

Um remédio para matar ou salvar o SUS?

Artigo no Le Monde Diplomatique Brasil, outubro de 2012.

 

Iniciados dois importantes encontros sobre saúde na América do Sul

Dois grandes encontros sobre a saúde acontecem, desde a última terça (2), na América Latina. Na Colômbia, ocorre o II Congresso Internacional sobre Sistemas de Saúde, com a participação do Ministro da Saúde e Proteção Social da Colômbia, Alejandro Gaviria, e de representantes do Instituto Sul-Americado de Governo em Saúde (ISAGS).
 
Realizado na Pontifícia Universidade Javeriana, em Bogotá, com apoio da União das Nações Unidas (Unasul) e da Organização Pan Americana de Saúde (OPAS /OMS), o evento acontecerá até dia 5, próxima sexta-feira, com ênfase na análise da relação entre a cidadania e financiamento de políticas públicas de saúde no contexto da crise econômica atual, e suas implicações para alcançar sistemas de saúde universais, equitativos e sustentáveis.
 
A conferência contará com a participação de um seleto grupo de especialistas nacionais e internacionais, representantes de governo e da sociedade civil, que, através do diálogo e da reflexão crítica, vão discutir o estado atual dos sistemas de saúde nesta área. É convidada para a ocasião a ex-presidente do Cebes e professora titular da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Sonia Fleury, que fez apresentação na manhã desta quarta-feira (3) sobre Direitos sociais universais e restrições de financiamento dos sistemas de saúde.
 
Outro importante encontro acontece, do dia 3 a 5 de outubro, no Equador, com apoio do Ministério da Saúde do Equador e da OPAS/OMS. Trata-se do I Simpósio Internacional sobre mudança climática e saúde, com temas que foram discutidos no Workshop sobre Governança da Saúde, Ambiente e desenvolvimento sustentável, realizado no ISAGS na última semana.
 
Fonte: Cebes, publicado em 3 de outubro de 2012

 

Seminário Saúde Municipal: Os Desafios do SUS e o Papel das Parcerias Público-Privadas

A Fundação iFHC em parceria com a Fundação BRAVA reuniu os Secretários Municipais de Saúde da duas maiores cidades do Brasil e uma das maiores especialista em Políticas Públicas para discutir o tema: "Saúde Municipal: Os Desafios do SUS e o Papel das Parcerias Público-Privadas". Sexto Seminário do Ciclo "As Grandes Cidades Brasileiras: Identificando Problemas, Buscando Soluções", iniciativa busca difundir experiências inovadoras na solução de desafios comuns ao cenário metropolitano e ainda contribuir para a qualidade do debate neste ano de eleições municipais.
 
A Professora Sonia Fleury, professora titula da EBAPE/FGV, foi bem contundente em suas críticas e trouxe o exemplo do modelo inglês de parceria público-privada para fazer um contraponto aos modelos apresentados pelos secretários municipais do Rio de Janeiro e de São Paulo.

 

Professora Sonia Fleury fala ao CEBES sobre a questão da Seguridade Social no Brasil

Em entrevista concedida ao Canal Cebes, a ex-presidente da entidade, Sônia Fleury, faz uma síntese sobre a Seguridade Social no Brasil e defende que o governo não pode, ao fazer desonerações tributárias, se desonerar de sua responsabilidade pública pelos direitos sociais: "Devem-se ser analisados os efeitos e impactos sobre o orçamento da seguridade social ante qualquer medida de política econômica que envolva mudanças na forma de tributação".

 
Outubro 2011

O direito e o contradireito


 
Setembro 2011

Cidadania: caminho para a concretização das igualdades sociais


 
Novembro 2010

Será a CSS a solução para a saúde?


 
Outubro - 2010

Dez anos da Emenda nº29 - Artigo de Pós-Doutoranda da EBAPE


 
Setembro/Outubro - 2010

O imaginário conservador se revela


 
Julho/Agosto - 2010

O Código Florestal e o interesse do público


 
Julho - 2010

Entrevista com a profª Sonia Fleury para o site "Equidade para a Infância América Latina"

Publicado em 07-28-2010
Sonia Fleury, Doutora em Ciência Política, Professora Titular da Fundação Getúlio Vargas e Especialista em Democracia e Direitos Sociais, aborda nesta entrevista algumas políticas brasileiras atuais e seus impactos na vida das crianças. Fleury destaca a importância das políticas dirigidas às populações mais vulneráveis, como modo de incluir a família e incentivar a relação da criança com a escola e com as políticas de saúde. Não obstante, reitera que as políticas focalizadas não são suficientes e só alcançarão o impacto desejado se conjuntamente forem garantidas melhorias no funcionamento das políticas universais, as quais são fundamentais para promover a inclusão social das crianças. Considera, ainda, que nas últimas décadas na América Latina, houve uma falsa polarização entre políticas universais e focalizadas, atualmente já superada. A discussão hoje deve concentrar-se em como incluir as populações mais pobres nos sistemas universais, de modo a assegurar a cidadania. O desafio da inclusão social consiste, assim, em melhorar a qualidade dos sistemas universais insuficientes e precarizados.

 

 
Junho - 2010

¡Brasil!, muestra tu cara


 
Maio - 2010

Caiu a ficha da honestidade como valor atemporal


 
Abril - 2010

Gestão de riscos ou a crônica da morte anunciada


 
Março - 2010

Centenário de Nabuco e as cotas: Reparação ou construção da nação?


 
Fevereiro - 2010

Depois do carnaval é hora de pensar o futuro


 
Janeiro - 2010

Conferências de comunicação, direitos humanos e cultura são ameaças à democracia?


 
Dezembro - 2009

Democracia, republicanismo, o Estado e o povo


 
Novembro - 2009

Terra, trabalho e agricultura: modernização sem modernidade